NO DESGASTE DA PERSONALIDADE,O FINDAR DO MEDO - J.KRISHNAMURTI


No desgaste da individualidade, o findar do medo

Se não houver contato com a vida, no efetivar da ação que implica seleção e contínuo discernimento, não haverá possibilidade de plena realização. Tal realização somente pode provir do contínuo desgaste da individualidade. Se, porém, a ação nasce do temor, esta ação lutará para amoldar-se segundo o padrão estabelecido. O medo origina-se fundamentalmente, do fato de buscardes realização e entendimento fora de vós próprios, buscando a certo Ser super-humano que vos livre da treva que vos cerca em vossas ações. Havendo medo, a todo o instante estareis vos esforçando pelo vos tornardes; o tornar-se nada mais é que a imitação originada do medo. Toda a vez que a ação provier do medo, essa ação, em vez de vos libertar, vos embaraçará cada vez mais. Verdadeira ação é a contínua eliminação, o desfazer da autoconsciência que se apercebe de separação. Se, porém, a ação provier do medo, em virtude desse medo advém a formação de seitas, de grupos estreitos, de indivíduos que se unem em seu tornar-se.

Uma seita, como corporação, não se pode acercar à verdade, pelo fato de a verdade ser realização individual, um individual esforço interno. Não é pelo vos apegardes a uma corporação que ireis chegar à plena realização do ser. Por isso é que eu insisto em que somente por meio do indivíduo, se encontra a plena possibilidade de realização. Uma seita ou grupo vem à existência quando há muitos que se esforçam por imitar um padrão estabelecido — que é não a verdade completa, porém um fragmento da verdade. O medo acha-se implícito no tornar-se e o ceder ao medo não faz mais do que ampliá-lo e daí multiplicar-se o engano. Por este tornar-se, baseado no medo, manifesta-se sempre o desejo de ter, de tomar, de ser guiado. Assim, uma nova corporação se forma para a pesquisa da verdade; porém, jamais se chega à verdade por meio de grupos ou sociedades. A verdade somente se percebe por meio do esforço individual.

A verdade é o desapercebimento da existência autoconsciente. Se não estiverdes mais que imitando, tentando vos tornar um padrão estabelecido, pelo seguir uma fórmula estabelecida, somente estareis cedendo ao medo; e por esse modo acrescenta-se o medo. O homem que não quiser sentir medo deve aperceber-se que, posto que as formas de existência individual variem, posto que as expressões do eu-consciência mudem, ainda que a vida a si mesma se manifeste por maneiras diferentes, fundamentalmente, a vida é uma só. Quando vos aperceberdes disto, todo o medo cessará. Então, não mais existirá o esforço para tornar-se, e sim a tentativa de vir a ser.Por meio desta luta tem lugar a verificação intuitiva da unidade do ser, a qual em momentos de razão desperta em grau extremo (a qual é intuição) todos sentem e conhecem dentro de si mesmosA tarefa da existência autoconsciente é a de verificar a plena potencialidade deste fato; e quando ele é plenamente realizado, então a individualidade imerge no TODO e chega assim ao seu preenchimento.

O findar do medo é o começo do ser; e o ser é harmonia, equilíbrio perfeito em todas as suas expressões. O ser não exige imitação, a formação de grupo ou seita, o reunir-se em conjunto como um exército com general em um mundo de caos. O ser é integratividade, no qual não existe o apercebimento do “tu” e do “eu”. Enquanto estiverdes apercebidos do “tu” e do “eu”, haverá desarmonia, devida ao esforço para tornar-se, no qual se acha implícito o medo. A separação é ocasionada por esse ego que nada mais é que a existência autoconsciente do indivíduo; e desta separação da individualidade autoconsciente, provem a ansiedade e o autoengano. A individualidade não constitui um fim em si mesma. A individualidade é imperfeição, acha-se no processo de tornar-se até chegar ao ser.

O tornar-se é esforço, o ser é cessação do esforço. Enquanto houver esforço é ele autoconsciente e, portanto, imperfeito. O ser não é mais que o puro apercebimento da existência isenta de esforço. São palavras estas que necessitais traduzir por meio da intuição, a qual vem a ser a razão em sua forma mais elevada. Para chegar a este ser, tendes que ter em conta o desejo ocasionado pela existência autoconsciente. Quando tiverdes compreendido o desejo, de onde ele tem sua origem e para onde se dirige, torna-se ele uma joia preciosa à qual vos segurais, e a qual estareis continuamente cinzelando e aperfeiçoando. O desejo assim, é a origem da verdadeira disciplina — não de uma disciplina pré-estabelecida, porém da disciplina que varia progressivamente até que chegueis ao puro ser.

O desejo busca a felicidade não impedida. Na busca dessa felicidade ele procura, em primeiro lugar, as posses, as quais implica cobiça, inveja e outras coisas mais. Em seguida passa ao próximo estágio, que é o gozo das coisas sutis. Antes que chegueis a esse gozo sutil é preciso que exista o domínio — com a compreensão do propósito da existência individual — dos desejos físicos, do gozo do grosseiro. A maioria das pessoas chegam a este domínio do gozo físico, um pouco tarde, na vida, quando já são velhos após haverem-no experimentado sem entendimento. Pela fadiga continuada, pela falta de energia, tem lugar o domínio, domínio esse inconsciente, que não é o domínio oriundo do entendimento.

O homem que quiser livrar-se do engano e dos anseios deve ter um perfeito domínio sobre o corpo — domínio por meio do entendimento, não filho da supressão ou da repressão. O domínio vem com o desejo de entendimento do propósito da existência individual e do seu preenchimento. A maioria das pessoas suprimem seus desejos por terem medo; isto, porém, não é domínio, é morte. O verdadeiro domínio é flexibilidade, atividade, tendo o corpo plenamente ativo, porém sob refreio.

Depois, deve haver domínio nas emoções, o qual mais não é que uma forma sutil do gozo. Por meio da emoção, uma vez ainda, o desejo busca a felicidade. Eu sirvo-me da palavra domínio como significando disciplina autoimposta, com entendimento — não o estúpido domínio que vos deixa de ânimo azedo, que vos torna duros, cruéis, rudes. A disciplina autoimposta é cheia de gentileza, consideração, é terna e não dura. Se vos abandonardes a vossas emoções e fantasias, ao romantismo, ao mistério, mais uma vez sereis vítimas do autoengano e do anseio, do esforço para tornar-se. Do mesmo modo, deve haver domínio do mental. A função do intelecto é estabelecer uma ponte entre a ação e a intuição. Ele deve guiar, não dominar, e, por esse modo, produzir perfeita harmonia.                   

Krishnamurti em Reunião de Verão, 23 de julho de 1930 

Fonte:http://pensarcompulsivo.blogspot.com.br/2016/07/no-desgaste-da-individualidade-o-findar.html



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CAUSA DA TRISTEZA - J.KRISHNAMURTI

A EXPERIÊNCIA É O ÚNICO MESTRE - J.KRISHNAMURTI